Inicial > ESPECIAL MULHER > Presidente Lula ganha apoio de ativistas iranianos

Presidente Lula ganha apoio de ativistas iranianos

Por Cristiano Pereira

Defensores dos direitos humanos tentam impedir o apedrejamento de mulher condenada por adultério

A proposta do presidente Lula em abrigar a iraniana Sakineh Mohammadi Ashtiani, no Brasil, chamou a atenção e ganhou apoio de defensores dos direitos humanos no Irã. Ashtiani é acusada de adultério, e nas leis do País, este crime é sentenciado por apedrejamento.

Mahmood Amiry-Moghaddan, importante ativista de direitos humanos no Irã,  pediu ajuda ao presidente Lula para que ele intercedesse em favor do advogado que defende Ashtiani da condenação ao apedrejamento e corre sério risco de vida, pois vem sofrendo intimidações das autoridades policiais do Irã. Mohammad Mostafaei, que defende outras pessoas que teriam os direitos negados pelo governo, decidiu deixar o Irã, depois que descobriu que as autoridades no País pretendiam prendê-lo. O advogado foi proibido de exercer a profissão, sendo obrigado a deixar indefesos seus clientes que tem os direitos violados pelo governo iraniano.

Porta voz do Comitê Internacional contra a Execução e do Comitê Internacional contra o apedrejamento, a ativista Mina Ahadi (foto) mantém uma campanha na internet para que a execução de Ashtiani não se concretize, ela também citou em carta ao presidente Lula, o nome de cada iraniana morta pela forma brutal em que foi sentenciada por apedrejamento. Na carta, Mina Ahadi conta ao presidente o drama vivido pelos filhos das iranianas mortas, e apelou para que Lula se informasse dos outros casos de condenamentos, sendo que, a maioria é prisioneiro político que espera a execução. Terminando a carta, ela escreve um trecho para lembrar ao presidente brasileiro o histórico do governo iraniano em executar oponentes.

Reconhecendo que a oferta de Lula é um passo positivo para que as leis de sentença no Irã sejam revistas em condições humanas pelo governo, membros de organizações de direitos humanos afirmam que existe um longo caminho para fazer com que o país venha a banir esse tipo de sentença.

Anúncios
Categorias:ESPECIAL MULHER
  1. Nenhum comentário ainda.
  1. No trackbacks yet.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: