Arquivo

Archive for the ‘Saúde e Meio Ambiente’ Category

Guarulhos recicla apenas 100 toneladas de lixo por mês

Por Leila Martineli

Postos de coleta não suprem a necessidade do município

stockphotoO programa coleta seletiva solidária recicla apenas 100 toneladas de lixo, mensalmente, em Guarulhos. Mesmo parecendo uma grande quantidade, não supre o que é produzido. Nos últimos anos, a discussão em torno da sustentabilidade tem se tornado freqüente, mas a realidade é bem diferente na prática. Além disso, é fundamental conscientizar a população sobre a importância do tema.

A informação está em todos os lugares, mas isso não basta, é necessário fazer parte da prática cotidiana do ser humano. Nesse sentido, os projetos de reciclagem e sustentabilidade estão sendo aderidos em empresas públicas e privadas. Várias Subprefeituras da Grande São Paulo estão investindo na reciclagem.

O município de Guarulhos, com o programa Coleta Seletiva Solidária, está tentando fazer a diferença, de forma bem simples com sete galpões e 52 funcionários, os quais ganham pouco mais do que um salário mínimo por mês.

O programa conta com postos de coletas espalhados em sete bairros da cidade, escolas, órgãos públicos e empresas. Para que o Coleta Seletiva Solidária fique mais robusto é necessário que a Prefeitura crie novos postos de coleta e dissemine informações aos cidadãos guarulhenses.

Anúncios

Parque Alvorada ganha UBS com pronto-atendimento 24 horas

Por Dani Domenech

Nova unidade de saúde desenvolve trabalhos em grupo, de forma terapêutica

 

A Secretaria Municipal da Saúde inaugurou, em outubro, a nova Unidade Básica de Saúde (UBS) Alvorada, que também oferece serviço de pronto-atendimento 24 horas por dia. Os serviços oferecidos na unidade são consultas médica, pediatria, ginecologia, enfermagem e odontologia. 

A UBS Alvorada conta com três consultórios médicos –um multiprofissional, um odontológico, um para consultas de enfermagem–, uma sala para atendimento de urgência e emergência, uma sala de raio-X e uma para acolhimento com classificação de risco.

“Esta entrega é mais um passo
na Saúde, mas ainda temos muitos
desafios neste sentido na cidade”

No local também há posto de enfermagem para medicação, ala para curativo e para vacinação, sala de reunião, farmácia com entrega de medicamentos e setor administrativo. A nova unidade dispõe, ainda, das áreas comuns, como: refeitório e sala de estar para os trabalhadores, banheiros com acessibilidade, recepção e saguão.

Na solenidade de entrega, em 13 de outubro, estiveram presentes o secretario de saúde, Carlos Derman; o prefeito da cidade, Sebastião Almeida, e o gerente da UBS Alvorada, Reinaldo Trindade.

Na ocasião Derman garantiu a permanência do Samu na UBS para agilizar o atendimento. “Esta entrega é mais um passo na Saúde, mas ainda temos muitos desafios neste sentido na cidade”, frisou o secretário de saúde.

 

Serviço:

UBS Alvorada

Av. Santa Helena, 70 – Vila Paraíso (região do Parque Alvorada)

Tel.: 2484-5659 / 2486-977

Pronto Atendimento 24h por dia

Casa da Mulher Maria Clara IV inaugura novo espaço

Por Max Mendel

Vila São Rafael abriga novo espaço

A Casa da Mulher Maria Clara IV, espaço de atendimento comunitário voltado às mulheres, inaugurou em 19 de outubro mais um espaço de atendimento para o público feminino. O novo endereço, localizado rua Brigadeiro Lima e Silva 480, Vila São Rafael, é um complemento ao espaço original, na rua Nossa Senhora de Lourdes, Vila Galvão.

 O novo espaço possui cerca de 500m² de área construída, 5 salas, banheiros e acesso para deficientes físicos. A nova unidade oferece assistência social, cursos, como informática e artesanato, auxílio em temas como educação sexual, saúde feminina, entre outros.

 

As Casas da Mulher Maria Clara, vinculadas a Coordenadoria da Mulher, órgão municipal, são “Espaços de atendimento voltados para mulheres e jovens em situação de vulnerabilidade social, jovens grávidas e vítimas de discriminação” segundo informa a página da Coordenadoria no site da Prefeitura. Desde 2001 as quatro unidades já realizaram mais de 22 mil atendimentos, entre auxílio social e cursos capacitantes.

Guarulhos registra 241 casos de catapora

Rodrigo Buffo

Apesar do surto, Secretaria Municipal de Saúde aponta redução de 50% de casos comparados a 2007

Tempo seco é o principal responsável pelo surto

 Guarulhos registrou 241 casos de catapora entre janeiro a outubro de 2010, de acordo com dados apresentados pela Secretaria Municipal de Saúde. A Secretaria afirma também que comparado ao ano de 2007 os casos da doença reduziram em 50% na cidade.

O Ministério da Saúde divulgou que em todo o Brasil foram registrados mais de 12 mil casos de catapora. Em São Paulo, duas crianças já morreram por causa da doença.

 De acordo com especialistas, o tempo seco é o principal responsável pelo surto. Devido a baixa umidade o vírus fica mais tempo no ar favorecendo a sua propagação. Com as chuvas dos últimos dias a expectativa é que a doença pare de avançar.

 Em todo o Brasil foram registrados
mais de 12 mil casos
de catapora

 “Os sintomas mais comuns são febre, manchas vermelhas, coceira, aparecimento de bolhas rosadas e pequenas lesões em todo o corpo. Pedimos que hipótese alguma arranque as crostas que se formam,” orienta atendente da unidade básica de saúde do bairro Cidade Seródi, Débora Menezes.

 A cura da catapora depende da reação do próprio organismo. No entanto, os médicos orientam que os casos devem ser acompanhados por especialistas.

Ortopedia da rede pública está na ‘UTI’

Por Thati Bertolino

A maioria dos profissionais preferem as clínicas privadas

Não é de hoje que a saúde ineficiente e precária nos postos e hospitais públicos de todo o País. A falta de médicos, aparelhos e medicamentos  são visíveis e o descaso toma conta da saúde pública. A demora no atendimento faz  os pacientes esperem meses na fila para realizarem uma consulta.

 A morosidade no atendimento  em alguns casos, os pacientes enfrentem verdadeiras peregrinações entre as Unidades Básicas de Saúde (UBS) e os hospitais, só para conseguir uma guia de encaminhamento para avaliação de um especialista da área. O que não acontece pela fragilidade da saúde do paciente.

 Infelizmente essa é a realidade das  pessoas que precisam de atendimento do sistema publico. Na fila do posto de saúde, dona Sueli Santos reclama que está esperando mais de 2 meses para conseguir uma vaga com o ortopedista, e por enquanto não conseguiu nem a guia de encaminhamento. Como podemos ver na ortopedia não é diferente, filas intermináveis meses e meses de espera para uma consulta.

 Um verdadeiro drama para as pessoas que só tem como alternativa o Sistema Único de Saúde (SUS) , e dependem dele para a cura de doenças dos seus problemas. O maior exemplo disso é o Hospital Municipal de Campo Limpo, zona sul de São Paulo, referência no tratamento destes traumas.

          A falta de médicos, aparelhos e medicamentos 
         são visíveis e o descaso toma
        conta da saúde pública

 O hospital possui um déficit de 13 médicos ortopedistas, com consultas marcadas apenas terças e quintas-feiras. As péssimas condições de trabalho e os baixos salários, fazem com que o atendimento seja precário e o número de profissionais muito pequeno para atender toda uma população.

Nos plantões em hospitais públicos, são dois ou três ortopedistas que precisam dar conta de uma demanda numerosa e diversificada. Um plantão em uma clínica particular tem uma remuneração muito maior que a do sistema público. Na hora de escolher entre elas, a maioria dos profissionais preferem as clínicas privadas.

Na inauguração da nova sede da UBS no Jardim Munhoz, que ocorre em 18  de outubro de 2010, esteve presente o prefeito Sebastião Almeida e o secretário da Saude e vice-prefeito, Carlos Derman. No evento foi discutido a falta de ortopedistas na rede pública, e o déficit que existe nesta área .

A alguns anos, a sede funcionava em um prédio com  250 metros quadrados com oito salas, mudando para um outro local com 424 m2 e 21 salas,tendo muito mais espaço para o atendimento publico. O local foi criado principalmente para melhorar o atendimento a população e dar condições melhores de trabalho para que os profissionais desempenhem a sua função com qualidade e segurança.

Tempo seco causa doenças respiratórias

Por Monique Corrêa

Com alguns cuidados, a época de seca pode ser menos desconfortável

Nos meses em que ocorrem poucas chuvas é comum que a umidade do ar fique reduzida, o que causa um aumento nos níveis de dióxido de enxofre e material particulado, devido às piores condições de dispersão. Isso propicia o surgimento ou agravamento de doenças respiratórias, cardiovasculares e oculares.

 

  A Defesa Civil destaca as seguintes recomendações quando a umidade do ar está abaixo de 30 % (estado de atenção): 

  • Evitar exercícios físicos ao ar livre entre 11 e 15 horas;
  • Umidificar o ambiente por meio de vaporizadores, toalhas molhadas, recipientes com água, entre outros.
  • Sempre que possível permanecer em locais protegidos do sol, em áreas arborizadas.
  • Consumir bastante água.

Sem medidas preventivas, algumas pessoas (principalmente idosos, crianças e com problemas cardíacos ou respiratórios) podem sofrer os seguintes sintomas:

  • Ressecamento de mucosas do nariz e da garganta;
  •  Nariz entupido ou com sangramento, espirros, tosse, dificuldade para respirar, rinite e crises de asma;
  • Aumento do risco de infecções respiratórias;
  • Piora das doenças respiratórias preexistentes, como asma, bronquite, rinite e enfisema;
  • Ressecamento da pele;
  • Irritação dos olhos por ressecamento, com vermelhidão, ardência, sensação de areia nos olhos, coceira e aumento das conjuntivites alérgicas;

 Após tomar as medidas preventivas, se os sintomas persistirem, procure orientação médica.

 

A Baixa umidade do ar  propicia o surgimento ou agravamento

 de doenças respiratórias, cardiovasculares e oculares.

 

A Defesa Civil é responsável por decretar os estados da umidade do ar

Acima de 30%Observação

De 30 a 20%Atenção

De 19 a 12%Alerta

Abaixo de 12%Emergência

 

Informações gerais

 A Defesa Civil fica em observação ininterruptamente, para avaliar a necessidade da decretação dos estados de acordo com os índices da umidade relativa do ar, que é monitorado pelo Centro de Gerenciamento de Emergências, órgão municipal, responsável pela previsão meteorológica. A Defesa Civil alerta ainda às pessoas para que não coloquem fogo em terrenos baldios e vegetação seca, pois a baixa umidade relativa do ar pode aumentar as chances de incêndio nas pastagens e florestas. Além de destruir a fauna e a flora o fogo provoca o empobrecimento do solo e pode propagar-se em direção a indústrias, estabelecimentos comerciais e centros urbanos. 

 Serviço:Coordenadoria Municipal de Defesa Civil – COMDECTel.: 199

Serviço de Atendimento Móvel de Urgência – SAMUTel.: 192

Serviço de Atendimento ao CidadãoTel.: 156

Unidade de psiquiatria é inaugurada no HMU

Por Dani Domenech

Nova unidade de psiquiatria dá início ao atendimento às pessoas com transtornos mentais

O Hospital Municipal de Urgências de Guarulhos (HMU) ganha novas e modernas alas no início de agosto deste ano. Na solenidade de entrega do serviço esteve presente a secretária adjunta de saúde, Teresa Pinho de Almeida Tashiro; o secretário de saúde da Prefeitura de Guarulhos, Carlos Derman e o prefeito da cidade, Sebastião Almeida.

Foto: Stock Photos

Leitos do hospital HMU

As novas instalações foram construídas de acordo com as normas de vigilância sanitária, determinadas pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) . A obra conta com o projeto de humanização do Sistema Único de Saúde (SUS) , que tem por objetivo estimular trocas solidárias entre gestores, trabalhadores e usuários da rede pública de saúde. De acordo com a Prefeitura, a unidade tem sala de emergência, consultório médico, sala de estabilização para os casos graves, sala de atendimento aos familiares e duas enfermarias -masculina e feminina- com seis leitos cada. Além disso, a ala de psiquiatria possui o setor de apoio técnico, as salas de expurgo, de limpeza, a rouparia, a copa, os sanitários e área de lazer para os internos.

Segundo o secretário de saúde, a nova unidade vai dar início a um modelo inovador de atendimento. “A unidade psiquiátrica de urgência do HMU deve ser o início da assistência às pessoas com transtornos mentais com continuidade do tratamento pelos Centros de Atenção Psicossocial (Caps)”, comemora Derman.

Serviço:

HMU

Av. Tiradentes, 3391, Bom Clima.

(acesso pela rua Anselmo Fornasaro)

Tel.: (11) 2475-7422